Destaque, Indústria

Leonardo: contrato com o Ministério da Defesa da Itália para o novo avião de treinamento M-345 e para o desenvolvimento de um novo helicóptero de exploração e escolta

A Leonardo assinou dois contratos com o Diretório Nacional de Armamentos e com o Ministério da Defesa da Itália para um lote inicial de cinco aviões de treinamento Aermacchi M-345 e para a primeira fase do programa de desenvolvimento e entrega do novo helicóptero de exploração e escolta (NEES na sigla inglesa) para o Exército da Itália. A soma do valor dos dois contratos é superior aos 500 milhões de euros. 

A Força Aérea Italiana precisa de um total de 45 aeronaves M-345 (denominada T-345 pelas forças armadas da Itália) para substituir de maneira progressiva os 137 aviões MB-339 em serviço, que entraram em operação em 1982. Os novos aviões serão operados juntamente com os 18 bimotores Aermacchi M-346 já pedidos e utilizados atualmente pela Força Aérea Italiana na fase avançada do treinamento de pilotos. Juntos, os dois tipos de aviões formarão o sistema de treinamento de pilotos militares mais avançado do mundo. Graças ao seu alto desempenho e ao seu avançado sistema de treinamento em terra, o M-345 dará um impulso significativo na eficácia do treinamento, na eficiência e na redução de custos operacionais da Força Aérea Italiana. A primeira entrega está prevista para 2019.

O contrato de vários anos relativo ao novo helicóptero de exploração e escolta (NEES) do Exército Italiano contempla o estudo, o desenvolvimento, a industrialização, a produção e o teste de um protótipo, além da produção inicial de três aeronaves. Com esse novo programa, que tem por base a necessidade total de 48 unidades, o Exército Italiano poderá substituir a frota atual de AW129, cuja retirada de serviço está prevista para 2025, depois de 35 anos de operações. O programa NEES vai se beneficiar da longa experiência operacional adquirida pelo Exército Italiano, graças ao AW129, e do know-how da Leonardo neste setor específico de helicópteros. Além disso, permitirá que o exército introduza um produto ainda mais avançado tecnologicamente, com melhor desempenho e custos operacionais reduzidos, para atender, pelos próximos 30 anos, às necessidades decorrentes de cenários em constante evolução.